RedeGN - HU-Univasf encerra 20 leitos de UTI Covid após verificar "redução expressiva da demanda"

HU-Univasf encerra 20 leitos de UTI Covid após verificar "redução expressiva da demanda"

O Hospital Universitário da Univasf, em Petrolina-PE, concluiu a operação dos 20 leitos da Unidade de Terapia Intensiva, voltados para pacientes acometidos pela Covid-19, na semana passada. A instituição justificou que a decisão foi tomada devido "a redução expressiva da demanda por internações na região".

Segundo o HU-Univasf, a UTI Covid alcançou a notável taxa de recuperação de 61,9% de pacientes em tratamento intensivo, número acima da média nacional. "Ao longo de pouco mais de 18 meses de funcionamento, a UTI Covid do HU-Univasf/Ebserh não apenas constitui-se em uma estrutura moderna e adequada de atendimento, mas também ressaltou a capacidade de superação e cooperação de todos os profissionais engajados com o seu funcionamento", disse.

A estrutura funcionou durante todo o tempo no prédio da Policlínica do HU, sendo um local estratégico para os fluxos de internação, exigindo esforços de todas as áreas hospitalares, uma vez que o hospital continuou dando assistência à demanda rotineira por assistência em média e alta complexidade.

“Ao todo, atendemos 350 pacientes na UTI Covid e todos eles foram acompanhados por equipe multidisciplinar maior que o recomendado pelo Ministério da Saúde. Além disso, criamos o protocolo de suporte psicológico e social aos familiares, oferecemos videochamadas desde o primeiro dia de funcionamento e, nos últimos 8 meses, visitas presenciais. Nossos pacientes saíram da unidade hospitalar com reabilitação iniciada e agendamento de ambulatório pós-alta. Temos muito do que se orgulhar, encerramos hoje as atividades com a certeza de termos ocupado e desempenhado nosso papel na pandemia”, avalia Kátia Oliveira, Gerente de Atenção à Saúde do HU.

Petrolina segue operando com 50 leitos de UTI. O boletim de ontem (3), divulgado pela secretaria na manhã de hoje (4), aponta que a taxa de ocupação segue em 0%, pelo segundo dia consecutivo.

Da Redação RedeGN / foto: arquivo