RedeGN - O Samba de Véio do Rodeadouro nas ondas do Rádio

O Samba de Véio do Rodeadouro nas ondas do Rádio

Mulheres, homens, jovens e crianças se movem ao compasso das batidas de tambor com pele de carneiro, os pés seguem o ritmo dos sons e dos versos improvisados. No centro do círculo, uma senhora dança até que encosta a barriga na do jovem moço.

É a famosa “umbigada” convidando o companheiro para entrar na roda. É desta forma que o Samba de Véio do Rodeadouro resiste há anos no município de Juazeiro (BA), encantando os moradores e turistas que assistem à manifestação cultural.

Para relembrar esse legado da cultura afrobrasileira, o jornalista Márcio Santos Reges realizou o radiodocumentário O Outro “Samba do Rio”, que narra a riqueza da manifestação e o esquecimento a que ficou submetido. Como afirma Márcio Reges, muitos associam o Samba de Véio ao grupo cultural da Ilha do Massangano, em Petrolina (PE), mas foi em terras do quilombo do Rodeadouro que este ritmo nasceu. Nas ondas sonoras do rádio, o outro “Samba do Rio” reverencia a origem da tradição carioca, conhecido a partir das festas promovidas por Tia Ciata, mas demonstra como o batuque encontrado no Velho Chico preserva a autenticidade com a forte pisada no chão, a sonoridade do tamborete de couro de bode e o bailado juazeirense-ribeirinho-salitreiro.    

Márcio nasceu na Lagoa do Salitre, distrito do município juazeirense, e, desde criança, conhece o ritmo sonoro das terras do Salitre e do Rodeadouro, cuja raízes remontam a chegada do primeiro morador, o africano Aloquê, e que mantiveram modos de organização dos povos tradicionais afrobrasileiros, desde o cultivo coletivo no plantio das roças até a transformação da pequena ilhota como destino turístico. Tudo era compartilhado com a comunidade e a religiosidade se manifestava como elemento identitário. Não se sabe a data exata das primeiras festas de samba, mas as heranças são os batuques das Festas de Santos Reis. Como conta Dona Ovídia Izabel de Sena, “batuque é quando a gente convida uma pessoa para tirar um verso tanto no Samba quanto Reisado”.

Marcio Reges relata que era comum o samba ser celebrado nos casamentos e para cumprir promessas. Com os instrumentos em mãos - pandeiro, triângulo, e mais recentemente a guitarra, usado apenas na comunidade do Rodeadouro - os idosos visitavam as casas dos vizinhos e pegavam os bancos de assento com couro de bode. Bastava esquentar ao fogo para afinar e a cantoria reinava. “Quando tinha a graça atendida, pagava a benção alcançada promovendo uma noite de muito Samba com comida e bebida até o amanhecer do dia. Como essa manifestação era praticada apenas por pessoas idosas, passou a se chamar Samba de Véio”, esclarece Márcio Reges a partir de entrevistas com integrantes do grupo cultural. Nas festas, sempre tinha uma cachaça. Atualmente, como existem crianças e jovens dançando, são servidos refrigerantes e sucos. 

Neste documentário de rádio, Márcio Reges valoriza a cultura do grupo, com reprodução das cantorias como Cantiga de Reis, Samba de prata Samba de Ouro, A onça da Gameleira, Chora viola, Piaba ê, Piranha, Viola nova, presentes no CD instrumental do grupo. O programa de rádio reconhece a trajetória de moradores locais que mantiveram a tradição, como dona Francisca Pereira, na década de 1980; o senhor Manoel Severiano, do povoado da Boa Vista no Salitre, que convidou a comunidade a retomar as atividades no ano de 1993; Dona Ovídia, e a professora Lucimeire Oliveira Silva, que trabalhava na escola Municipal Maria Monteiro Bacelar, e a partir do ano de 2000, mobilizou a comunidade para expandir a cultura e consagrá-la em eventos públicos. Atualmente, tanto a Associação Cultural de Samba de Véio do Rodeadouro (ACSVER) como o grupo Carrapicho Virtual procuram manter o legado do samba e do reisado, comemorado em janeiro no distrito de Alfavaca.

Quem chega a Juazeiro e assiste a uma apresentação do Samba de Véio do Rodeadouro se encanta com os versos musicais, o ritmo, as vestimentas coloridas, a dança dos idosos, jovens e crianças. O radiodocumentário, produzido como trabalho de Conclusão de Curso de Jornalismo, na Universidade do Estado da Bahia (UNEB) sob a orientação da professora Fabiola Moura, é um importante registro à memória e história da região. Com 25 minutos de duração,  o programa está disponível no canal do MultiCiência, na plataforma do Youtube. A produção é um convite para singrar as águas do Rio São Francisco ou adentrar as terras do Salitre para se deliciar com uma sonoridade que só existe aqui: o outro "Samba do Rio - o Samba de Véio do Rodeadouro.  

Andréa Cristiana Santos, jornalista e professora do Departamento de Ciências Humanas, campus III, Uneb. 

Fotos: Márcio dos Santos Reges

OBSERVAÇÃO:  O programa de rádio está disponível no canal MultiCiência do Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=Yp-eNTslwEk&t=572s

Por Multiciência Agência de Notícias