RedeGN - Deputado Alberto Feitosa, defensor da Usina Nuclear com uso das águas do Rio São Francisco, articula visita de Bolsonaro ao Nordeste

Deputado Alberto Feitosa, defensor da Usina Nuclear com uso das águas do Rio São Francisco, articula visita de Bolsonaro ao Nordeste

O deputado Alberto Feitosa (SD) esteve em reunião, em Brasília, com o presidente Jair Bolsonaro (PL), o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto em pauta foi a articulação da vinda do presidente a Pernambuco e outros estados do Nordeste, o que deve acontecer nos próximos 30 dias. 

Alberto Feitosa, junto com o senador e ex líder governista no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), são defensores e tem interesse que o Governo Federal ammplie o uso em energia com a implantação de uma Usina Nuclear que, segundo eles, representam  “um grande projeto para o Estado”. 

O deputado Alberto Feitosa deve na oportunidade discutir ações na área do projeto de energia nuclear proposto para Itacuruba (Sertão de Itaparica), investimento estimado em mais de R$ 30 bilhões.

Ambientalistas e movimentos sociais são contra a instação da Usina Nuclear, argumentando ser um risco para o Rio São Francisco.

“O tema da energia nuclear vai fazer parte do cenário econômico do Estado. É só uma questão de tempo”, pontuou ano passado Feitosa, durante debate na Rádio Jornal Petrolina.

Alberto Feitosa foi o autor da Proposta de Emenda à Constituição, permitindo instalação de uma usina do tipo no Estado de Pernambuco. Ano passado o parlamentar também visitou às usinas localizadas em Angra dos Reis, no litoral do Rio de Janeiro, a convite da Eletronuclear.

Um artigo de sua autoria, intitulado “Energia nuclear: sinônimo de prosperidade do Sertão!”, em um dos trechos afirma que “…segundo estudos da Eletronuclear, o município de Itacuruba, em Pernambuco, reúne as condições ideais para abrigar uma Central Nuclear com 6,6 mil megawatts de capacidade instalada, o equivalente a toda produção de energia da Chesf. A receita anual desse empreendimento gera um montante de R$ 800 milhões em ICMS para o Estado e cerca de R$ 160 milhões em ISS para o município, trazendo ainda mais progresso e desenvolvimento”.

O deputado João Paulo é contrário à instalação de uma usina nuclear no Estado. “Acredito que o equipamento pode trazer insegurança para os moradores da região. Tenho preferência pela adoção da energia solar, cujo fortalecimento solucionaria a questão da geração de energia elétrica no Brasil”, frisou. Já Antonio Fernando (PSC) destacou, em aparte ao comunista, “que a vinda da usina nuclear pode alavancar o desenvolvimento do Estado e que é preciso difundir as vantagens dessa matriz energética.”

Redação redeGN Fotos Reprodução