RedeGN - Repercussão: Após atos no dia 7 de setembro Bolsonaro recua, seguidores protestam e Dória ironiza

Repercussão: Após atos no dia 7 de setembro Bolsonaro recua, seguidores protestam e Dória ironiza

Após uma grande mobilização de pessoas para o dia 7 de setembro, com discurso que incluía o não cumprimento de decisões da suprema corte, o presidente Jair Bolsonaro surpreendeu apoiadores, nesta quinta-feira (8), ao publicar uma carta, escrita em parceria com o ex-presidente Michel Temer, em que recua do discurso forte feito um dia antes, em Brasília e em São Paulo, durante manifestações do dia da independência.

Na nota pública o Presidente diz que não teve a intenção de atacar “quaisquer poderes” e declara respeito as instituições brasileiras e que suas falas teria decorrido “do calor do momento”. 

Antes da publicação, de acordo com fontes ligadas ao palácio, Bolsonaro teria conversado com Alexandre de Moraes, num telefonema intermediado por Temer, em que o ministro disse que não tinha nada pessoal e que estava apenas "cumprindo a constituição".

O recuo de Bolsonaro, um dia depois dos ataques, foi considerado por apoiadores como um sinal de fraqueza e nas redes sociais as manifestações foram de decepção, por parte de muitos seguidores e de moderação de outra parte que acredita que o gesto "é uma estratégia".

Allan dos Santos, um dos blogueiros mais conhecidos nas hostes bolsonaristas foi contundente e escreveu no Twetter: “Fim de jogo : Game Over!”.

Um seguidor escreveu: “Dia 7 quando nós gritamos "eu autorizo” na Avenida Paulista, pensei que o presidente  tomaria medidas legais para conter ilegalidades dos “sinistros” do STF, jamais imaginei que no dia 09 ele chamaria o Michel Temer para escrever uma carta, melancólica, de arrego”, desabafou.

A deputada Bolsonarista Carla Zambelli foi prudente: “Confie e Aguarde”, disse nas suas redes sociais.

O prefeito de São Paulo, João Dória aproveitou para ironizar: “O leão virou um rato. Grande dia!" 

Na sua live desta quinta-feira o presidente foi mais ameno nas críticas e não chegou a ler a carta aberta, se concentrando num pequeno trecho em que agradecia aos manifestantes pela presença nas ruas no domingo.

Da redação redeGN