RedeGN - Sem nomes de peso na disputa para deputado federal, Juazeiro deve receber uma enxurrada de “candidatos de fora”

Sem nomes de peso na disputa para deputado federal, Juazeiro deve receber uma enxurrada de “candidatos de fora”

Juazeiro caminha para uma eleição atípica, sem lideranças locais concorrendo para a Câmara Federal e com uma leva de candidatos, “de fora”, atuando em várias fronteiras para tentar angariar votos no 5º maior colégio eleitoral do estado.

O caminho é encostar numa liderança ou grupo local para mostrar serviço ou ganhar simpatia “pelas beiradas” e sair com um quinhão de votos nas urnas no ano que vem.

A maioria dos candidatos ditos “forasteiros” vai aumentando a medida que os dias vão passando e vai se confirmando a falta de força eleitoral dos políticos locais para concorrer a um cargo na Câmara Federal. Os candidatos com maior força política local, já comprovada em boletins de urna, ou confirmam ou já sinalizaram que, mesmo com o campo aberto para Deputado Federal, num colégio eleitoral de quase 150 mil votos, não vão arriscar uma disputa para a Câmara Federal.

Isaac Carvalho já anunciou uma candidatura a estadual e Joseph, pelo que corre nos bastidores, também abdica da disputa para a Câmara para tentar uma vaga na ALBA. O complicador nessa decisão é que os dois, ao tempo que abrem espaço para nomes que chegam de fora, internamente disputam votos com aliados locais.

Aliado de primeira hora de Isaac Carvalho, o deputado Zó teria recusado a ideia aventada no seu grupo político, de sair para federal e dobrar com Isaac, em Juazeiro. Vão se confrontar nas urnas em juazeiro e cidades da região, onde cada um vem tentando construir ou garantir suas bases eleitorais.

Roberto Carlos, pelas conversas de bastidores, também não quer arriscar o voo mais alto, para federal, baseada nos convicções que tem chances muito grandes de renovar o mandato, face à construção que fez nas suas bases eleitorais no estado, o que inclui prefeitos aliados e já comprometidos com outros nomes para deputado federal. A pessoas mais próximas tem dito que está consultando essa bases para tomar uma decisão, mas tudo indica que segue disputando a vaga para mais um mandato de deputado estadual.

No “grupo da prefeita Suzana Ramos ou do ex-prefeito Joseph Bandeira”, definição que ainda está em aberto, o deputado federal e candidato à reeleição, Adolfo Viana, é a bola da vez do grupo mais próximo à prefeita, mas não tem e busca a simpatia dos demais aliados e partidos que compõem a base. Para estadual fala-se que nomes muito próximos da prefeita não abrem mão de uma candidatura, trazendo mais disputa no campo onde Joseph e Roberto já prenunciam um embate.

No “grupo de Isaac Carvalho”, que tem como aliado já confirmado o ex-prefeito Paulo Bomfim, consagrada a disputa para estadual, entre o líder maior e Zó, o palanque para deputado federal também deverá ser pulverizado, valendo aquela troca de bases para construção de possibilidades eleitorais. O candidato de Isaac e Paulo Bomfim seria Diego Coronel e Zó estaria trabalhando para construir sua estratégia em relação à candidatura federal, em Juazeiro. à boca pequena o nome de TUM, de Casa Nova, aparece nesse cenário de possibilidades.

O Coronel Anselmo Bispo, já definiu o apoio para federal a Elmar Nascimento, um dos mentores da sua candidatura a prefeito de Juazeiro e seu padrinho político na indicação á 6ª Superintendência da Codevasf. Nas redes sociais negou uma possibilidade de candidatura a deputado estadual, mas deixou claro que vem um nome, sem dar pistas. Seria Targino Gondim?

Com o vácuo político deixado pelos “líderes”, o certo é que uma enxurrada de “candidatos de fora” vão invadir Juazeiro à cata de votos para deputado federal, trazendo na primeira apresentação uma cesta de promessas, de obras e troca de bases.

Partidos políticos não inseridos no comando dessas “lideranças estabelecidas” devem arriscar uma possibilidade de cair no gosto de quem não “vota em candidato de fora”.

O jogo é esse, no momento, dizem.

Da redação redeGN