RedeGN - Sempre ligado.

Foram encontrados 102 registros para a palavra: crise hidrica

Inflação: BC cita alta de commodities e crise hídrica para descumprimento da meta

O Banco Central enviou uma carta, nesta terça-feira (11), ao Conselho Monetário Nacional (CMN) após a divulgação de que o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), o índice oficial de inflação do país, encerrou 2021 a 10,06%, resultado bem acima do teto da meta de 3,75%.

Assinada pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, e pelo procurador-geral do BC, Cristiano Cozer, o documento elenca a pressão sobre o preço das commodities, a bandeira de energia elétrica de escassez hídrica e os gargalos nas cadeias produtivas globais como os principais responsáveis para a inflação ter encerrado o ano passado em dois dígitos...

Crise hídrica: Aneel prevê aumento de 21% na conta de luz em 2022

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prevê um aumento médio de 21% no preço da conta de energia em 2022. “Nossas estimativas apontam para um cenário de impacto tarifário médio em 2022 da ordem de 21,04%”, diz a Aneel, em documento interno publicado na última sexta-feira (5/11) e revelado em reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.

O órgão fez uma projeção sobre o impacto financeiro da atual crise hídrica do país sobre a conta de luz. Na prática, para o bolso do consumidor, a alta é três vezes maior que a registrada neste ano. O reajuste da conta de luz em 2021 foi de 7,04%; no ano passado, o aumento acumulado foi de 3,25%...

Ministro de Minas e Energia diz que crise hídrica não acaba este ano

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que a crise hídrica não preocupa apenas em 2021, porque deve perdurar nos próximos anos. O ministro e especialistas concordam que o nível dos reservatórios das hidrelétricas baixará ainda mais até dezembro, quando começa o período úmido, que segue até abril.

“Evidentemente, nós não estamos preocupados só com 2021. Mas também com 2022, 2023, 2024. Porque os nossos reservatórios estão em níveis baixos e ficarão ainda mais baixos até o fim do ano. As coisas não vão se resolver em dezembro, muito menos em abril de 2022. É lógico que o nosso foco agora é prover a oferta necessária para que a gente passe sem maiores problemas por essa fase até novembro, quando o período úmido começa. Mas nós temos que fazer um trabalho de médio prazo para que possamos ter condições melhores nos anos vindouros”, disse o ministro em entrevista ao jornal O Globo...

Risco de apagão e alto custo da energia ameaçam retomada, reclamam empresários

As últimas declarações do governo sobre a crise hídrica confirmam o que se temia: se não chover o suficiente para que o país volte à média histórica de precipitação, o Brasil poderá enfrentar séria falta de geração de energia elétrica ainda neste ano, o que prejudicará o crescimento econômico esperado para o período pós-pandemia da Covid-19.

A avaliação é feita por representantes da indústria e do setor elétrico ouvidos pelo Metrópoles. De acordo com esses profissionais, poderá faltar energia para sustentar a demanda do país em 2022 também, caso o volume dos reservatórios das usinas hidrelétricas não aumente nos próximos meses...

Sem produção adicional, geração de energia será insuficiente a partir de outubro, alerta ONS

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou nesta quinta-feira (26) que, a partir de outubro, a capacidade atual do país de geração de energia elétrica será insuficiente para atender à demanda. Na avaliação do órgão, é "imprescindível" aumentar a oferta de energia em cerca de 5,5 GW a partir de setembro.

As conclusões constam de uma atualização da nota técnica de monitoramento das condições do setor elétrico até novembro...

Taxa extra na conta de luz deve aumentar, diz Guedes: 'Não adianta ficar sentado chorando'

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (26) em audiência pública no Senado que a taxa extra na conta de luz, cobrada por meio das bandeiras tarifárias, deverá aumentar novamente em razão da crise hídrica. Para o ministro, "não adianta ficar sentado chorando".

O Brasil enfrenta a pior crise hídrica dos últimos 91 anos, e a bandeira tarifária já foi reajustada, em junho deste ano. Segundo a colunista do G1 Ana Flor, a bandeira na cor vermelha deverá sofrer novo reajuste na semana que vem, durante reunião da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)...

Ministro diz que governo tem adotado medidas para garantir energia

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, voltou a afirmar hoje (28) que o país não corre risco de racionamento de energia ou de um apagão elétrico devido à grave crise hídrica. Segundo o ministro, desde o ano passado, quando se verificou uma redução no volume de chuvas, o governo tem monitorado a situação e adotado as medidas necessárias para garantir o suprimento de energia.

“Não vai faltar energia. Estamos adotando medidas desde o ano passado, quando observamos que as afluências nas principais bacias hidrográficas estavam muito baixas e depois quando terminou o período úmido em abril, verificamos que foi a pior crise com escassez hídrica da história do país, dos últimos 90, 100 anos. Mas isso não é motivo de preocupação para a sociedade”, disse hoje o ministro...

ONS prevê dificuldade de atender demanda de energia em novembro e país pode ter que aumentar importação

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) emitiu nota técnica na quinta-feira (23) prevendo dificuldades para atender a demanda de energia do país em novembro.

Essa dificuldade viria do “esgotamento de praticamente todos os recursos [de potência de energia] no mês de novembro”. Ou seja, o operador vê o risco de faltar potência de energia a partir desse mês, fim do período seco e início do período chuvoso...

Ministro admite crise hídrica, avalia possibilidade de racionamento em pronunciamento na TV

O ministro Bento Albuquerque, de Minas e Energia, afirmou em pronunciamento na TV, nesta segunda-feira (28), que o país passa por um momento de crise hídrica.

Durante a fala Bento Albuquerque disse que a população deve fazer uso "consciente e responsável" de água e energia para evitar um agravamento da situação...

Crise hídrica leva à criação de sala de situação para buscar soluções

Preocupado com o baixo volume nos reservatórios das hidrelétricas do país, o governo federal montou uma sala de situação sobre condições hidrológicas e gestão energética para tratar do problema. Na quinta (13), durante a primeira reunião da equipe, foram debatidas ações para preservar o volume dos reservatórios sem prejudicar o abastecimento de energia no país.

A expectativa é que um plano de ação seja apresentado nos próximos dias, com medidas para reduzir a vazão de parte dos reservatórios...

Agnaldo Meira discute crise hídrica com agricultores do Salitre

Agricultoras e agricultores familiares da região do rio Salitre, se reuniram na última quarta-feira (23), com o Secretário Estadual do Meio Ambiente e diretores do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA), para discutir a gestão eficiente da água do rio, que percorre o trecho de Juazeiro e Campo Formoso, e o uso permanente deste recurso natural.

O encontro atendeu a reivindicação das principais lideranças das comunidades de Baixinha, Bicas, Casas Velhas, Pacui, Curral Velho, Bebedouro, Abreus e demais localidades, afetadas pela crise hídrica. Também participaram da reunião, representantes da Coelba, Ibama, Codevasf, IRPAA, Associações comunitárias, Secretaria Estadual de Relações Institucionais (SERIN), prefeituras de Juazeiro e Campo Formosos, Câmara de Vereadores, Sindicato de Trabalhadores Rurais e Comitê da Bacia do Rio Salitre...

Governo baiano dialoga com comunidades sobre crise hídrica no rio Salitre

Uma equipe do Governo do Estado chefiada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) percorreu, nessa quarta-feira (23), trechos do rio Salitre, em Campo Formoso e Juazeiro, para observar a situação da bacia e tratar dos conflitos pelo uso da água na região. 

Atendendo a solicitação das comunidades da Baixinha, Bicas, Casas Velhas, Pacui, Curral velho, Bebedouro, Abreus e demais impactadas pela falta de água, uma reunião foi realizada com a participação da população e dos produtores rurais da região. Participaram representantes da Sema, Inema, Serim, Casa Civil, Polícia Militar da Bahia, Coelba, Ibama, Codevasf, prefeituras de Juazeiro e Campo Formoso, Comitê de Bacia, lideranças comunitárias e representantes dos produtores rurais da região. ..

Crise hídrica vivida no Brasil é resultado das mudanças climáticas, afirma ministro do Meio Ambiente

Na semana em que se celebrou o Dia Mundial da Água, não há motivos para comemorar. A afirmação do ministro Sarney Filho, do Meio Ambiente, durante evento do Fórum Mundial da Água, em Brasília, reforça o discurso de que é preciso poupar para não faltar. Nesta última semana, a Organização das Nações Unidas divulgou um relatório que aponta o tamanho da crise hídrica mundial: até 2050 mais da metade da população terá acesso restrito à água, caso não haja controle no uso do recurso.

Sarney Filho disse ainda que os reflexos da falta de preservação ambiental já podem ser sentidos no Brasil, que passa por grave crise hídrica nos últimos anos. Ao citar o Dia Mundial da Água, o ministro salientou que o momento é de reflexão. “Nessa área ambiental, seja na floresta, no clima, na água, nós não temos muito o que comemorar. Nós temos que refletir, buscar caminhos, por que a situação global é muito grave. Aqui no Brasil, as mudanças climáticas resultaram na crise hídrica. A maior seca do Nordeste, Sudeste teve uma crise hídrica há três anos e meio, quatro anos. Brasília ainda está vivendo o racionamento, saindo agora dessa crise hídrica. Isso tudo é reflexo das mudanças climáticas”, disse...

Senado debate crise hídrica e o futuro das cidades afetadas por estiagens

Especialistas discutiram na Comissão Senado do Futuro, o panorama hídrico do país e a importância do Fórum Mundial da Água 2018. A audiência fez parte de um ciclo de debates para discutir o futuro das capitais e de cidades afetadas pela crise hídrica ou por restrições crescentes no abastecimento de água potável.

Na avaliação do senador Hélio José (Pros-DF), para o país superar a crise hídrica é fundamental preservar as nascentes e mananciais. O parlamentar ressaltou que o Distrito Federal tem enfrentado as consequências de uma crise sem precedentes e, após seis anos de consumo crescente, o cidadão da capital federal precisa rever suas rotinas com o racionamento de água. “Nós precisamos realmente ter um olhar mais acentuado na questão dos nossos mananciais e nossos cursos de água aqui do Distrito Federal”, disse...

Relatório da ANA apresenta situação das águas do Brasil no contexto de crise hídrica

 

Rio São Francisco, Foto Andrei Benevides.

A água é fundamental desde atividades cotidianas, como tomar banho, até para o desenvolvimento econômico de um país, pois com ela é possível gerar energia, produzir alimentos e produtos de consumo, entre outras atividades. Para informar à sociedade brasileira como anda a situação das águas do País, a Agência Nacional de Águas (ANA) lança o relatório pleno de Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil 2017 nesta segunda-feira, 4 de dezembro, no site www.ana.gov.br. Esta publicação é a referência para acompanhamento sistemático e periódico das estatísticas e indicadores relacionados a recursos hídricos no Brasil...

Deputado Zó discute sobre crise hídrica nas bacias hidrográficas do estado

Membro atuante da Comissão de Meio Ambiente e dedicado ao que se refere a revitalização das bacias hidrográficas do estado da Bahia, na manhã desta quarta-feira (30), o deputado estadual Zó (PCdoB) participou da reunião do colegiado para tratar sobre a crise hídrica nas bacias hidrográficas que cortam a Região Oeste do estado, em especial no município de Correntina.

Zó declarou que o conflito de água instalada em Correntina já foi uma experiência vivida pelo rio Salitre na década de 80. "A guerra de água é algo muito sério, e é preciso buscar um equilibro para o uso correto da água. Os grandes produtores precisam respeitar e se adaptar a modelos de irrigação que prima pelo trabalho socioambiental"...

Crise Hídrica é tema do IV Encontro dos Comitês Afluentes do São Francisco

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), inicia nesta quinta-feira (05), em Salvador, o IV Encontro dos Comitês Afluentes do São Francisco. O evento tem o objetivo de promover a integração entre os comitês afluentes e terá como tema “Escassez Hídrica na Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco”. O encontro termina na sexta feira (06).

A novidade é a participação dos comitês dos estados que receberão águas da transposição. O encontro reúne  representantes de 23 comitês afluentes, seis comitês de bacias receptoras de águas da transposição do rio São Francisco, totalizando 29 comitês participantes, além de especialistas da Agência Nacional de Águas (ANA)...

Codevasf participa de debate no Congresso sobre crise hídrica na bacia do São Francisco

O presidente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Avelino Neiva, participou na tarde desta quarta-feira (6) da audiência pública da Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas do Congresso Nacional. O objetivo foi discutir a crise hídrica na região do Vale do São Francisco e no reservatório da barragem de Sobradinho.

"Não se pode pensar em se resolver o problema hídrico do São Francisco se nós não tivermos uma opção dentro da própria bacia hidrográfica. A Codevasf possui um belíssimo estudo, feito há alguns anos, a respeito da construção de cinco grandes barragens que poderão suprir demandas hídricas do rio São Francisco", disse o presidente. 

Avelino Neiva destacou que a construção das cinco barragens é uma ação viável para a bacia, pois os investimentos seriam menores do que o de alternativas pensadas – como a transposição do rio Tocantins. "E o que é mais importante, todos os estudos de viabilidade econômica estão prontos, feitos pela Codevasf", acrescentou. 

O diretor da Área de Gestão dos Empreendimentos de Irrigação da Companhia, Napoleão Casado, complementou a apresentação apontando algumas das ações emergenciais executadas pela empresa para diminuir os efeitos da seca e da estiagem prolongada na bacia do rio São Francisco. 

Segundo Napoleão Casado, desde 2015, entre as intervenções realizadas pela Codevasf estão as obras de desassoreamento em pontos críticos e a instalação de sistemas de bombeamento flutuante, que permitem a captação de água para os projetos públicos de irrigação, mesmo com a redução da vazão do rio São Francisco. Os investimentos nessas ações chegaram a R$ 47 milhões.

"Para garantir a segurança hídrica na bacia do São Francisco, principalmente  a segurança do abastecimento humano, a Codevasf tem realizado diagnósticos e mapeado a necessidade da execução de novas ações emergenciais", explicou o diretor de Irrigação. 

Das ações identificadas destacam-se a ampliação de redes de distribuição elétrica nos projetos públicos de irrigação e a perfuração e instalação de poços em municípios na área de atuação das oito Superintendências Regionais da Codevasf, além de obras de desassoreamento e instalação de flutuantes em outros trechos do rio São Francisco e projetos de irrigação. A atuação da Companhia na bacia do São Francisco abrange mais de 600 mil quilômetros quadrados, onde vivem cerca de 18,2 milhões de pessoas.

Além de Antônio Avelino, participaram como expositores da audiência pública Fernando José Carvalho de França, representando o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS); Vicente Andreu Guillo, diretor-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA); João Henrique de Araújo Frankilin Neto, diretor de Operações da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf); e Amauri José Bezerra da Silva, presidente do Conselho de Administração do Distrito de Irrigação Nilo Coelho (DINC). Eles também apresentaram as medidas para o gerenciamento da crise hídrica e as ações estruturantes em execução ou necessárias na bacia do rio São Francisco.

Acompanharam os debates no Congresso Nacional os diretores da Codevasf Inaldo Guerra (Revitalização) e Marco Aurélio Diniz (Desenvolvimento e Infraestrutura), além dos assessores da Presidência da Companhia Athadeu Ferreira, Márcio Adalberto Andrade e Guilherme Almeida, entre outros técnicos da empresa...

SECA: A pedido de FBC, comissão do Congresso vai fazer audiência sobre crise hídrica no Vale do São Francisco

A pedido do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), a Comissão Mista sobre Mudanças Climáticas (CMMC) do Congresso Nacional realizará audiência pública para o acompanhamento da crise hídrica na região do Vale do São Francisco e no reservatório da barragem da usina hidrelétrica de Sobradinho. Aprovado na tarde desta terça-feira (29) pela CMMC, o debate ocorrerá já na primeira quinzena de setembro com a participação de representantes do Operador Nacional do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), da Agência Nacional de Águas (ANA), da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e do Distrito de Irrigação Nilo Coelho (Dinc). 

“O São Francisco pede socorro”, alerta Fernando Bezerra, que foi presidente e relator da CMMC em 2015 e 2016, respectivamente. “Estamos vivenciando o pior período hidrológico do rio e os reservatórios encontram-se em situação crítica, como é o caso da Barragem de Sobradinho, que está com menos de 9% do volume útil”, completa. Líder do PSB e vice-líder do governo no Senado, o parlamentar quer ouvir, das autoridades convidadas à audiência pública, sugestões de medidas para o enfrentamento da crise hídrica na região...

Empresários sugerem mudanças na gestão de águas no Rio São Francisco em tempos de crise hídrica

Empresários ligados a Federação das Indústrias de Pernambuco se reúnem hoje (11) em Petrolina para avaliar e oferecer sugestões em relação ao uso racional de águas no período de crise hídrica no Rio São Francisco.

Numa reunião com a Agencia Nacional de Águas (ANA), nesta segunda-feira (10), os empresários sugeriram um período de adaptação de 70 dias para que as empresas se adequassem à norma que impõe a proibição de uso das águas às quartas-feiras, mas a proposta foi rejeitada...